Tartarugas Marinhas de Cabo Verde
Plataforma de divulgação do trabalho em defesa das Tartarugas Marinhas em Cabo Verde
13 Fevereiro 2010

 

Ilha de São Vicente
 
Chegou ao fim o 1º seminário de Parceiros do PCTM-INDP. Durante estes dias muito se falou, muito se ficou a saber, cada parceiro mostrou o que tem feito destacando os seus ganhos e as suas dificuldades, que não são poucas. Ainda deste encontro saiu conclusões e recomendações importantes em concertação entre os diferentes parceiros.
 
As praias mais importantes nestes três anos de campanhas em São Vicente foram identificadas, sendo ela:
Ano
Maior nº de rastros
Maior nº de ninhos
2007
Praia grande
Praia do Norte
Mês de Agosto
(Praia Grande e Praia Norte)
2008
Praia Grande
Lazareto
Mês de Agosto
(Praia Grande, Lazareto e calhau)
2009
Praia Grande
Praia do Norte
Mês de Agosto
(Praia Grande e Lazareto)
 
Estas praias estão marcadas no mapa de São Vicente, a marcação das praias foi feito pela Dra. Silvana Roque
  
 
 As principais informações colhidas durante os três anos estão resumidos no seguinte quadro
 

ANO

Nº de rastros

Nº de ninhos

Tartaruga marcadas

Média de ovos por ninho

Taxa de eclosão

2007

321

40

 

62

33%

2008

195

81

 

88

73%

2009

480

145 (16)

16 (13)

87,5

72%

                       
 
 
 
 
 
 
 
 
Nº de ninhos seguidos durante o ano.
Nº de tartarugas recapturadas após a marcação.
 
Fica-se a espera que os proximos seminário tenham tanto ou mais susseco que este, TUDO POR UMA CAUSA NOBRE QUE É A PRESERVAÇÃO DA NOSSAS TARTARUGAS MARINHAS.  
publicado por Alciany às 12:32
13 Fevereiro 2010

 

 

 

 

O Projecto Vitó no ano de 2009 recebeu 5 tartarugas marinhas para reabilitação. Três da espécie Chelonia mydas (Tartaruga Verde), 1 Caretta caretta e 1 Eretmochelys imbricata. A primeira tartaruga foi Vitó, que deu início e nome ao projecto, depois veio o Vitó Jr. e outros.
Todas essas tartarugas foram tratadas pela equipa do projecto com apoio técnico do veterinário Dr. Paulo Santos e da Dra. Sónia Merino, do INDP.
 

 Silvana Monteiro Roque

publicado por projectovito às 12:00
editado por INDP em 22/02/2010 às 17:22
tags: ,
13 Fevereiro 2010

 

De 6 a 13 de Fevereiro de 2010, foi realizado um seminário em São Vicente sobre a conservação das tartarugas marinhas. Nesse seminário estiveram reunidos representantes dos projectos de conservação das tartarugas marinhas de várias ilhas do arquipélago. O Projecto Vitó teve a oportunidade de relatar os resultados finais da implementação do projecto no concelho de São Filipe. O quadro seguinte ilustra os resultados dos trabalhos realizados pelos membros desse projecto nas praias do concelho de S. Filipe (Fonte Vila, Fonte Novo, Nossa Senhora e Praia do Topo - Vale dos Cavaleiros)
 
Dados
N ° ratos
N° ninhos
Tartarugas anilhadas
Tartarugas capturadas
Taxa de eclosão
Ninhos trasladados para o viveiro
Resultados
143
32
24
2
21,8
12
 
O Projecto agradece a todos os colaboradores, desde as entidades públicas e privadas até aos voluntários, sem os quais não seria possível a concretização do mesmo projecto.
 
  

 

publicado por herculanocv às 11:54
13 Fevereiro 2010

 

Longe se vão os anos, em que acossados pela fome, as gentes do interior demandavam a costa para procurar alimento. Desconhecedores das artes de pesca, uma opção fácil eram as tartarugas, que indefesas, vinham em grande numero desovar nas praias da ilha.

A fome acabou, mas o hábito persistiu, até que em 2006 (Município de Tarrafal) e 2009 (Município de Ribeiras Brava), resolveram agir.

Em Tarrafal, estima-se que a matança tenha diminuído em mais de 95%. Em 2006, mais de 2006 mais de 100 carapaças foram contadas em uma única praia (broco). Estima-se que, não mais que 5 cinco estejam a ser ilegalmente abatidas.

 

Concelho de Tarrafal

EROSÃO COSTEIRA, CAUSA DO REDUZIDO SUCESSO DE POSTURAS E BAIXA TAXA DE ECLOSÃO

PRAIA DE BARRIL – Havia informações que a “Praia Grande” constituía o principal ponto de desova. Infelizmente essa praia tinha sido totalmente destruída, e sua areia removida para aterrar valas de condutas de água. A então Comissão Instaladora, quase à revelia interditou a apanha do restava da areia dessa praia, tentou como pode, promover a sua reabilitação. Resultou como comprovam os dados. De zero ninhos em 2006, passou-se a 300

O passo seguinte foi a contratação de guardas, para fiscalização das sete praias mais importantes, que se dispersam por cerca de 17 Kms. Um valor que ascende a 1.120.000$00 ano, sem contar com outros encargos decorrentes da logística. Foi possível mobilizar 500 contos, e deu-se inicio à campanha.

 

SÃO FRANCISCO DE ASSIS, VELA PELAS TARTARUGAS DE TARRAFAL

PARCERIA COM CAPUCHINHOS, UM CASO DE SUCESSO

Fez-se forte sensibilização, efeito para o qual, além dos meios habituais (escolas, etc.) revelou-se providencial o envolvimento da paróquia local, sob o auspício da Congregação dos capuchinhos, que como é sabido, têm como patrono São Francisco de Assis, protector dos animais, ele que foi por João Paulo II, constituído “patrono da ecologia”.

CAUSAS NATURAIS, JÁ COMPROVADAS (MARESIAS), CAUSA DE PERDA DE VÁRIOS NINHOS

Nas praias de “d’baixo d’rotxa” e “Barril”, verificaram-se ao longo dos três anos, fortes maresias que arrastam a totalidade dos ninhos numa área da praia, o que em princípio obrigará à construção de viveiros (hatcheries)

Para reflexão:

DECISORES SENSIBILIZADOS, MEIO CAMINHO ANDADO NO SENTIDO DA OBTENÇÃO DE ENGAJAMENTOS.

CAMPANHA DE CARETA-CARETA, ATINGIU OUTRAS ESPÉCIES

A tartaruga de couro, localmente conhecida por “STRONG BÁI” outrora capturada para extracção do óleo, considero como portador de efeitos medicinais, continua a merecer alguma procura, mas hoje vem importado de outras ilhas.

 

MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS.

Público-alvo:

1.   Pessoal dirigente, professores, quadros … Parte-se do pressuposto, que se revelou falso, de que o nível de responsabilidade, habilitação, etc. era proporcional à ao nível de sensibilização, relativamente a questões ambientais. Importa começar por esses.

2.   Pescadores, e populações costeiras, foram ao longo dos tempos, tidos, como o público-alvo das campanhas. Estudos e observações têm demonstrado que os principais predadores, vêm das zonas altas. E há uma explicação; Em épocas de carestia, as populações costeiras sempre podiam pescar ao contrário das do interior, para as quais restava a apanha de tartarugas, hábito que resistiu à passagem do tempo, felizmente, agora, por mera tradição.

Nota: Izé Gaspar, foi um baleeiro, (Matou muitas baleias, - nessa altura era legal, mas não tartarugas) que iniciou o povoamento de Tarrafal, ainda no sec.XIX. atribuir seu nome ao blog, tem o propósito de resgatar a memória, e fazer um pouco da história desse Município, muito recente.

 

publicado por izegaspar às 11:06
editado por INDP em 22/02/2010 às 17:24
Newsletter

Introduza o seu endereço de e-mail:

pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Olá :)Este blog tem andado muito "sossegado", faz ...
Belíssimo este trabalho. Parabéns!
é sempre bom proteger as espécies em vias de extin...
Nossa, seria um sonho ver essas iniciativas explod...
Bem interessante, aqui no Rio de Janeiro nós també...
Que lega ver a tecnologia em função do meio ambien...
Posts mais comentados
subscrever feeds
blogs SAPO
Projecto:

Financiadores:
Patrocinadores:

Apoios:

Municípios:

Associações comunitárias:
  • Associação Comunitária Nova Experiência Marítima da Cruzinha da Garça
  • Escuteiros de Ponta de Pão, São Vicente
  • Espaço Jovem de São Vicente

  • Projecto ESPERANÇA em São Nicolau:

- COMUNIDADE DO CARRIÇAL
- COMUNIDADE DE PREGUIÇA